Sertão

Você não nasceu pra ser minha assim como não nasci pra ser seu, todavia carregamos uma característica comum: o vazio da alma. Uma sede inconstante que nenhuma alegria sacia, um inconsciente desidratado que se arrasta dia e noite pelo deserto. Sem satisfação, sem remédio, sem descanso. Preenchemos nossos vazios habitando as areias um do outro ocasionalmente. Um fim de semana ali, um feriado acolá. Você é o meu oásis das noites mais difíceis e também uma miragem que se desmonta ao longe, logo que vou embora, carregada pelas tempestades cotidianas.

 

Carrego esse vazio desde garoto, essa alma infrutífera, essa falta de sabe-se lá Deus do quê. Na época sonhava com um tempo de reflorestamento, que no futuro alguém chegaria para semear e trazer a flora necessária. Vidas, alegrias, músicas, cheiros, minúcias… saciação constante. Esse tempo nunca chegou e de tanto procurar, acabei desistindo dele. Até que certa feita, numa tarde qualquer, enquanto exprimia minha desmotivação diária, eu te vi passar. Vi nos seus olhos a mesma decepção natural que carrego desde o berço. E após alguns dias dividindo o café e noites compartilhando vinhos, decidimos que, dali por diante, encontraríamos alento um no outro de quando em quando. Nada como um pouco de tesão para andar mais rápido pela dimensão do sofrimento.

 

Porém eu não carreguei as sementes necessárias para fazer brotar a felicidade no seu coração, você também não possui as minhas. No máximo somos como cactos esporádicos que socorrem um ao outro; pontos verdes que aparecem no meio do nada para assegurar mais alguns dias de vida. Sou seu bom gole d’água e você é o meu. Pra quem já possui o costume de se ferir entre os espinhos, somos iguarias indispensáveis! Semanalmente nos fartamos, à vista disso, partimos.

 

Continue lendo “Sertão”

Anúncios

“She’s online”.

Ok! Eu sei que normalmente não se ama alguém de primeira, meus pais me ensinaram isso! A TV também… As músicas, os livros, os professores, enfim: cada pedaço da vida. Eu também sei que não se promete, nem se declara todo seu amor pra alguém que você nunca viu, nunca sentiu e muito menos teve ao lado. Pra alguém na qual os únicos registros presentes são as fotografias e áudios. Pra alguém que me tornou um expert na arte de interpretar o que há por trás de cada olhar e o que se esconde nos intervalos da voz, sim! Eu uso essa artimanha… Fazer o quê, né? Foi necessário… Só assim fui capaz de interpreta-la tão bem; observando o que todos os outros normalmente ignoram. E por falar dos “outros”, vocês querem saber de uma coisa? Eu sei muito bem como as relações devem funcionar, sou um cidadão moderno e bem disciplinado, todavia resolvi ignorar tudo isso, resolvi ignorar o script padrão de como viver uma juventude saudável e me entreguei a contramão geral dos relacionamentos, contra a guia cultural de nutrição de sentimentos. Não fiz isso para me destacar, ou para demonstrar o quão superiores somos de todos os demais, pelo contrário: vacilamos tanto como todos os outros. A diferença é que não nos entregamos a corações diferentes por noite, por esquina. Somos oposição porque não optamos pelas opções mais fáceis, escolhemos/queremos/desejamos/sonhamos e planejamos a opção mais difícil de todas! A união de dois mundos apartados pelo destino, de duas almas enraizadas em pontos distintos do planeta.

Continue lendo ““She’s online”.”

Antes das seis

Semanalmente me arrasto! E cansado encaro, um novo dia que se inicia.

Matinalmente absorvo abobado, nossas trocas de olhares, no lugar do “bom dia“.

Diariamente espiono seu caminhar (e como não amar?), cheio de beleza e ternura.

Momentaneamente disfarço que reparo, mas escondo o fato, de que já gabaritei tua rua.

Continue lendo “Antes das seis”

O depoimento de um ex ególatra

5fbc36cea76b2b23f40df0bc9fe35c77.jpg
“Me partiram em dois, e procuro agora o que é minha metade” – Sete cidades : Legião Urbana 

 

Eu achei que meu amor era perfeito. Não por hipérbole, não por arrogância,  mas por não dar conta do que estava andando no meu peito. “Isso é grande demais pra ser meu“, achava. Afinal, nunca alimentei expectativas e nem mesmo trabalhei com sentimentos. Mesmo assim, o amor surgiu! Lindo, impactante e de lugar nenhum. Deu-me forças nos momentos imprevisíveis e necessários, não tive escolha a não ser me render e endeusa-lo.

Continue lendo “O depoimento de um ex ególatra”

Um brado de desesperança

wedding-1026233_960_720.jpg

 

Olá. Boa noite.

Está chovendo muito aqui. E… Quer saber de uma coisa? Esse lance de utilizar a internet como única fonte de conversa, é como fazer questão de andar com guarda-chuva numa baita borrasca quanto a de hoje. É uma falsa proteção, algo insustentável, belo ato de desperdício. Os ventos carregam a chuva por diversos ângulos e tão logo acabam molhando tudo, de qualquer jeito, tal como a rotina que nos corrompe e afasta. No fim das contas, não vale e nunca valerá a pena fingir que ando guarnecido, com o corpo seco. Quando na verdade caminho vulnerável e desprotegido por aí. Totalmente só! Sem você.

Continue lendo “Um brado de desesperança”

Per tutti gli scrittori

Sad_Writer_by_eldawo.jpg

 

Quando nos tornamos escritores assumimos, obrigatoriamente, a missão de traduzir fatos, costumes, sensações, emotividades, sentimentos, verdades e mentiras. Fazendo o que há milênios foi considerado o papel da filosofia: levar o homem ao pensamento e reflexão, tanto sobre si mesmo quanto ao universo a sua volta. E talvez por isso, não acredito muito na aptidão de escritores que ignoram a Filosofia. Todo este compromisso com as palavras (sim, escritores são compromissados), assim como em qualquer outra missão, acarreta perigos e consequências. A pior delas é o pessimismo e a quase indelicadeza de fazer da sua vida (e do que nela há) utensílios para a construção daquilo que podemos considerar como “espelhos literários”, incorporados nas músicas, nos poemas, nas crônicas, etc.

Entretanto, infelizmente, ao olhar da maioria dos observadores, fazemos o que todo mundo é capaz de fazer e nossas obras sempre estarão abertas ao julgamento público. O senso comum e a falta de sensibilidade tenta passar a impressão de que a humanidade só não é repleta de escritores porque quase todas as pessoas possuem preguiça de se expressar. Além disso, afirmam que se você é escritor, tão somente é porque encontrou tempo suficiente para se dedicar ao ofício, ou que pelo menos teve “saco” para descrever uma realidade tão fria e irracional quanto a nossa.

É Eu sei: Tudo isso não passa de uma opinião vaga, pra não dizermos tola. Não é nada fácil escrever. Poucos sabem o quanto é árduo se dedicar por dias e dias lendo e relendo materiais de diversos autores (de gosto ou não), só para podermos adquirir bases sólidas para a cavalgada de futuros argumentos.

Inepto é quem acredita que o Mundo está sendo regido pela diversidade; há um só acordo, há um grupo seleto de governantes que regem o caos da nossa sociedade. E seja lá qual for à opinião deles, sempre vale relembrar que eles não gostam muito dos pensadores. De pessoas que se expressam, de gente capaz de espremer esperança a civilizações beiradas no caos.

E ao falar de esperança, falo exatamente da tal “elpis” do Grego (permanecer confiante), que pode ser considerada quase uma fé sem precedentes. Para tais “escritores eleitos” desse dom, ser capaz de transmitir a realidade nas letras, sobretudo na tentativa de produzir esperança nas pessoas que tanto criticam nosso trabalho, é também acreditar que nossas obras servirão como sementes para uma transformação futura, assim como a obra dos poetas passados nos concederam energia para trabalhar atualmente.

Partindo deste princípio, podemos concluir que a nossa missão esta inclusa na lista das mais nobres exercidas pela espécie humana. E que, como tudo aquilo que é nobre, sofre também da desvalorização e do esquecimento. Essa afirmativa é tão dura que, por desejo, prefiro acreditar que estou apenas sendo pessimista.

 — Leonardo veiga 29/07/2015

Sem romance! Por favor…

 

tumblr_n7exghp70v1qik4d9o1_500-8955.jpg

 

O amor deixa de existir quando não é correspondido. Essa é a minha máxima! Esse é o ponto de partida. Podem colocar a afirmação num quadro, numa lápide, ou no status de qualquer professor quarentão e solitário, cheio de gatos em casa. O amor deixa de existir quando não é correspondido, pois é só assim que ele funciona: correspondendo. Todo resto não passa de desejo platônico, fadado ao fracasso e extraído de qualquer fonte de esperança. Isso não tem nome, mas para mim não é amor, se for não quero senti-lo. E não desejaria a ninguém, nem mesmo ao meu pior inimigo.

Continue lendo “Sem romance! Por favor…”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: