I Guess That’s Why They Call It The Blues

As flechas surgem nos momentos de fragilidade. As dores aparecem mediante ao temor. Os golpes atestam a traição, o desespero conclui a infelicidade. Nem as trevas noturnas são tão deprimentes quanto os dias mais cinzas. A solidão da noite não é nada quando comparada ao conjunto de horas esperando uma solução, aguardando pelo pior, encarando problemas cada vez mais inimagináveis, intensos, infinitos.

Minhas antigas carcaças se acumulam no quarto. São os rascunhos de cada um dos fracassos, comprovantes de décadas tentando, mudando, recomeçando, se adaptando, se ajustando. Lendo a bula do remédio, ouvindo a fala do psicólogo, fazendo a simpatia da semana, devorando as propagandas do rádio. Uma pena que nada adiantou, nada nunca adianta. Meu corte de cabelo é novo, mas os dias continuam cinzas.

Continue lendo “I Guess That’s Why They Call It The Blues”

Inadaptado

Eu até pensei em te avisar que já não andava mais tão feliz, que o desgaste corroeu tudo que sinto por você, só que você sorria demais… um brilho no olhar de causar gosto e contentação ao público, ignorando qualquer problema que latejasse ao redor. Tentei te mostrar que o céu não estava mais tão azul quanto antes, que as coisas a volta andavam meio cinzas, ah, quantas vezes demonstrei! Mas você parecia não se importar com a tempestade que nascia no Sul, mesmo sabendo que o nosso lar não tinha firmamento suficiente para outro vendaval. O medo da solidão te lançou na ilusão de que a vida é perfeita e se ajeita sozinha quando se está com alguém. Sentei e expliquei, em diversas circunstâncias, que não é assim que a banda toca, que não podemos parar e ficar observando o caminhar das estações, que o amor não é um ponto de chegada, é uma eterna caminhada de encaixes e lapidações, havendo sempre a necessidade de ir avançando, aprendendo com os erros e se atualizando.

Continue lendo “Inadaptado”

[+18] Há tempos

Havia acabado de sair do banho quando notei que o celular estava largado no chão da cozinha. Sou desses que preferem andar com o aparelho no modo vibratório, ou seja, se ele despencou por mais de um metro da bancada ao piso, significa que alguém me ligou de forma incansável. Peguei o aparelho e caminhei pelo corredor no caminho ao quarto. Quando desbloqueei a tela, vi que a quantidade de ligações pertenciam a Clarisse, minha melhor amiga. Desesperada (como aparentava estar), fez questão de chover meu WhatsApp de mensagens, antes mesmo de tentar partir para o contato direto.

Quando procurei saber o porquê de tanto alarde, assustei-me com a última mensagem enviada por ela;

Allan… Está decidido! Vou me matar! Adeus meu amigo, dessa noite eu não passo.

Quando li aquilo, o smartphone encontrou o chão novamente. Não me recordo de ter colocado uma sunga, esqueci-me completamente de onde guardava minhas blusas. Apenas vesti a primeira calça que encontrei jogada na casa e corri em direção ao ponto de ônibus.

Continue lendo “[+18] Há tempos”

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: