Triunfo

Oi, boa noite.

Sei que você reparou no vazio do meu olhar quando me viu passando. Um amigo em comum contou sua opinião horas depois. Segundo ele, você disse que foi tudo muito rápido, mas que deu pra notar uma certa indiferença e distração em mim. Perdoe-me pelo que vou dizer, mas suas observações foram muito superficiais, querida. Ao contrário do que presumira a verdade é que, naquela tarde, o “vazio” do meu olhar não tinha nada a ver com a velocidade do seu ônibus, ou da música que tocava no meu fone de ouvido. Eu não estava distraído, pelo contrário: eu também te vi. Não foi um olhar estranho, foi o olhar sincero, quiçá o mais sincero de toda minha vida. Pela primeira vez em tantos meses, pude observa-la sem me envergonhar. Reparei o tamanho real do seu cabelo e das suas unhas, a exata textura da sua pele, a cor dos seus olhos, seu tom de maquiagem e as variantes do seu sorriso. Céus! Pela primeira vez não rolou um aperto no peito, minha garganta não ficou seca, as pernas não bambearam, minha transpiração estava dentro do normal. Não! Não tem a ver com indiferença meu bem, o que você viu é o que sou. Ou melhor: quem sempre deveria ter sido. O contraste entre o antes e o agora é que antes eu estava completamente apaixonado por você. Só que aprendi a te esquecer e gostei quando consegui. E… Acredite! Conseguir não acenar pra você dá rua foi por si só, um ato de felicidade.

Continue lendo “Triunfo”

Blackout

Soube que faltou luz assim que cheguei porque as lojas das esquinas funcionavam apenas com as lâmpadas de emergência. O ônibus fatiava a escuridão das ruas desviando de bolas, pipas, crianças, bêbados, animais, caixas de som e todos os outros tipos possíveis de obstáculos clássicos duma noite de feriado. Quando desci da condução e sentei no tão breu banco da praça, comecei a apostar comigo mesmo que ela não iria vir me encontrar. Com a vastidão daquele blackout, o destino concedeu àquela infeliz uma desculpa ideal, bastava ela pegar nas mãos e resumir numa mensagem de texto. Tudo indicava que ela não deixaria o calor do edredom e que eu ficaria largado na praça.

Continue lendo “Blackout”

Pare e pense

Se uma dessas “ultra feministas” disser que o ódio ao sexo masculino se deve as diversas experiências negativas que ela obteve nos relacionamentos com os homens do passado, logo, podemos concluir também que, se as experiências passadas fossem boas e não ruins, ela então não seria feminista hoje em dia? Seria uma esposa/namorada/noiva tradicional ou, no mínimo, uma solteira que não repudia o sexo oposto?

Já que é possível resumir, reunir e concentrar tanta raiva nascida de motivos tão banais, então será que quase todo extremismo disponível na Internet nasceu de meras experiências traumáticas e desgostosas que foram abafadas ao invés de serem resolvidas?

Continue lendo “Pare e pense”

Coração Templário

 

Abril – 1310

Reims, França

Olá, minha querida.

Escrevo-te esta carta com o propósito de deixar manifesto tudo aquilo que suas suspeitas já sussurravam; sinto lhe dizer, mas estou indo embora.

A mudança de vida também deixa sequelas. Sei que percebestes isso. Acredito que tenha ficado evidente no vazio do meu olhar, no universo entre nossos assuntos. Quem se acostuma a uma vida corrida e dificultosa, demora um pouco a relaxar. Os primeiros dias são de desencaixes notáveis, como um peixe veloz batendo a cabeça no vidro de um jarro, ou como alguém que acabou de ficar rico, mas sofre de insônia a noite com as memórias da labuta.

Continue lendo “Coração Templário”

1 de Julho

tumblr_nmphxbKkq91rbva4oo1_500

 

 

Na vida há fases boas e ruins, disso sabemos. É quase uma lei natural.

Só que ultimamente ando observando nas pessoas um determinando comportamento covarde. Comportamento do qual deveria ser evitado e se possível eliminado. Hoje em especial, falarei um pouco sobre ele…

Continue lendo “1 de Julho”

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: