A letra depois do Z

Ei!

Eu li sua última carta e ainda me surpreende o modo como me conheces tão bem;
Você é dissimulado, porém eu vejo o homem por trás desse olhar vazio. As dores, os conflitos, os problemas, as brigas, as quedas e os traumas da vida, te forçaram a modelar camadas e mais camadas de personalidades que escondem seu verdadeiro Eu“. Ual! isso foi profundo. Provavelmente a coisa mais franca que já li sobre mim mesmo. Eu não sei quantas vezes lhe pedi para darmos um basta nisso; nessa espécie melancólica de amor, onde a gente não transa, mas também não sai da cama. Eu não tenho você e você não tem a mim. E só gastamos o nosso tempo as escondidas um com o outro porque no fundo sabemos que somos feitos um para o outro. Embora seja tão difícil confessar isso sem trazer, junto as palavras, uma avalanche inteira de sentimentos ora arbitrários, ora essenciais. Um problema que, se não existisse, nos tornaria livres para mergulhar naquilo que a literatura chama de felicidade.

Continue lendo “A letra depois do Z”

Anúncios

Duas vezes basta

De novo e de novo
Requer repetição
Requer juntar os cacos depois de cada colisão
Mas resignificando toda a minha ideia sobre tentativas
O seu “para sempre” tinha apenas duas vidas

Plano de fuga

Planejo fugir para uma lugar escuro
E sem volta
Planejo sem pressa
E em secreto
Planejo ir para outro mundo
Deixar para trás esse mundo
E me infiltrar de penetra em novos absurdos
Planejo ir procurar amor
Na calada
Na tocaia
Tornar-me inteira
Deixando-me para trás
Previ:
Andarei em uma ponte sobre um precipício
Meu desequilíbrio me fará cair
Lá no fundo eu não sei o que será de mim

O tempo da covalescença

Eu tive que sair para trabalhar durante duas semanas com uma chuva que não parava, e então um dia eu acordei e estava um sol maravilhoso, eu senti isso mega inspirador e bonito – surpreendentemente – pois nunca amei o sol, meu verdadeiro amor sempre foi a lua. Dessa vez, porém, o sol pareceu-me amigável, oferecendo-me um estranho cavalheirismo, abriu o tempo como quem abre a porta do carro. Foi como se alguém tivesse feito o meu chá, ou me chamado para ver o arco-íris no céu. Foi como viver um cosmo depois de muito caos. Foi um dia bom, depois de vários dias ruins.

Certamente a felicidade inteira não cabe dentro da estiagem, e os dias ruins infelizmente não se resumem em chuva que não passa e muito menos têm a organização das estações do ano. Às vezes o tempo triste fica, e eu que não sei lidar nem com as coisas boas que permanecem, imaginem com as ruins: perco literalmente o controle e andando na corda bamba da vida caio dentro do precipício cheio de lesmas gigantes. Graças a Deus sou salva pelos lagartos de costas vermelhas que devoram as lesmas enquanto eu fujo desesperada pelo infinito coberto de fumaça lilás. Ao menos foi assim no sonho que sonhei dia desses…

Na vida real, porém, continuo presa na tempestade, continuo andando na corda bamba prestando mais atenção nas lemas abaixo dos meus pés, do que no infinito lilás na frente dos meus olhos.

Continue lendo “O tempo da covalescença”

A lei da vida – Registro histórico

8 de junho de 2015

Eu sempre procurei uma fórmula, uma passagem mágica, ou um caminho escondido que me levasse para onde eu queria…

Com o passar do tempo eu descobri que estas opções não existiam, mas continuei insistindo, pois, esta esperança era tudo o que eu tinha.

Eu acreditei que eu poderia fazer uma ponte de pessoas e que com esta ponte eu atravessaria os mais turbulentos oceanos da minha vida, que as pessoas daquela ponte sempre me sustentariam, que seriam meu apoio e que nunca me deixariam cair. Com o tempo, porém, eu percebi que estas pessoas não existiam, que todas elas não faziam parte de mim, e que em algum dia, ou agora elas me abandonariam.

Continue lendo “A lei da vida – Registro histórico”

Voz da experiência

Se eu posso dar um conselho? Claro que sim! E aproveitem porque é gratuito! O conselho que dou é o seguinte: procure saber qual é a música favorita da pessoa que você gosta. Principalmente se for alguém que começou a se relacionar contigo há pouco tempo. O motivo? Oras, é bem simples: desconfie de todas as pessoas cujo coração gira em torno da tristeza. Ela pode estar sorrindo ao seu lado, mas no fundo possui alguma causa não superada. E o pior! É provável que ela não pretenda superar. Na maioria dos casos com indivíduos desse tipo, as canções tristes servem como uma dose de nostalgia, uma garrafa de vinho servida gelada com momentos do passado gravados na embalagem. Quem (ao contrário de seguir em frente) dá preferência a nostalgias negativas, cuidando e e alimentando um câncer sentimental, seja através de livros, filmes ou músicas, não é digno da sua confiança e possivelmente desconfia até mesmo do amor que você tem pra dá.

Continue lendo “Voz da experiência”

Saturno

É espantoso o jeito estranho que eu tenho de lidar com as tragédias, no final, toda desilusão se torna apenas uma lembrança que por alguma razão, me apego e nego a renunciar. No início sofro, mas depois tudo se torna uma tristeza sonolenta que me faz querer dormir ou simplesmente ficar olhando para o nada.

Ontem eu sofria, doía-me o coração. Quando entrei no carro coloquei minha cabeça sobre o volante e em silêncio permiti que algumas lágrimas escorressem de forma lenta pelo meu rosto. Era manhã e havia chovido durante toda a noite, ainda serenava, mas pude perceber que o sereno se derretia e escorria pelo vidro como lágrimas, como as minhas lágrimas. Às vezes penso que o meu mundo é a parte, eu gosto de acreditar que a natureza tem um carinho especial por mim, e que esse seja o motivo pelo qual eu a sinta tão intensamente.

Continue lendo “Saturno”

Paciente 76

“Não! Não, não e não! As grades na janela não podem me enganar, não mais! Por isso te escrevo… com cautela escrevo. Eles esqueceram a lata de picles aqui, será nela que minha carta viajará! Tenho um novo plano para vê-la amor, leia-me, por favor! Logo lançarei essa carta ao mar. Não me preocupo mais com o que eles resmungam… As coisas que os guardas falam não valem a paciência dos ouvidos. Você está ai em cima cintilante e solitária, eu sei disso, mas não nessa parte do céu, pois não consigo te ver. Além de me enclausurarem aqui, eles me esconderam de você.

Se eu já tentei pular? Claro que sim! Mas a cama é muito baixa, as pedras na parede me machucam, não consigo alcançar a janela. Quem sabe no quarto ao lado? Hum… Será que dá? Será que conseguirei te ver pela janela de lá? Ou seria melhor esperar o amanhecer? Sim! Quiçá se eu arrancar a orelha do doutor… será que eles me carregariam para um lugar com alcance do seu brilho? As vozes falam nos meus ouvidos, contam-me sobre uma cela mais alta no último andar, donde posso vê-la de perto, inclusive, toca-la. Mais do que nunca, preciso alcança-la querida, sinto muito a sua falta. Sem você é tudo tão triste e escuro. As noites pesam como os séculos dos ossos nas catacumbas, perco meus anos num emaranhado total de escuridão e sofrimento.

Eles costumam me dar algumas pílulas pela manhã, todas as manhãs. Tolos! Cuspo cada uma delas, amor. As brancas, as laranjas e principalmente as azuis! Mas acho que sinto o gosto amargo da azul diluído no meu suco de laranja… Não há lâmpadas aqui, por três vezes ao dia, vejo apenas as luzes do corredor. Quando o guarda coloca o café, o almoço e o jantar. Não conheço ele, deve ser novo. Parece-me frio. Sinto o cheiro do corpo dele no meu prato, as vozes gargalham, não me falam a verdade sobre o que ele faz com a comida. Quando o doutor aparece, ele ignora minhas perguntas, não quer me falar de você, não quer entender que preciso busca-la. Que desde aquele fadado dia, estás presas ai em cima.

Continue lendo “Paciente 76”

Sombra mate

Ela escreveu inúmeras cartas, mas fez de todas  bolinhas de papel. A última, em fim, aparentava ter saído razoavelmente bem. Enquanto a lia, distraíu-se um pouco e olhando para o lado, viu que o gatinho brincava alegremente com os papéis amassados. Constatou e disse tristemente em sua mente: “Até os gatos brincam com os meus sentimentos”. Amarfanhou a então última carta e com sinceridade redigiu o texto a seguir, que sem  detalhes, ou formalidades apropriadas, foi entregue á destinatária três dias depois.

“Sei que faz algum tempo que não lhe escrevo e hoje não lhe trago agradáveis notícias. Tentei por esse tempo poupá-la da dor que me atormenta e entristecer-lhe mais uma vez por minha causa. Porém, a minha última gota de serotonina se esgotou, e não há chá verde que possa mudar isso. Já não posso mais adiar a minha decisão, estarei novamente em casa na semana que vem. Estive conversando com um antigo pintor e ele me ofereceu trabalho em seu ateliê. O dinheiro  não é muito, e para compensar isso, ele irá me ensinar alguma coisa no tempo livre.   

Continue lendo “Sombra mate”

Cartas para Benjamim

Um corredor estreito levava para sala, foi ali que ela se apresentou e serviu aqueles deliciosos biscoitinhos de canela. Ela mesma serviu e preparou o chá para a sua própria visita. Foi ela quem podou as plantas, quem também percebeu o cheiro forte que vinha da Serpentina. Sua avó era parteira, pelo seu umbigo calculou que ela seria a última filha de sua mãe. Margaritta Antônia conhecia  as plantas, e uma flor de Serpentina, ela bem sabia, coisa boa não vinha. Continue lendo “Cartas para Benjamim”

O último inverno dele

 

A neblina cobre tudo, é tão espessa que acho que posso senti-la, enquanto isso, os seus olhos se dissolvem no tempo, e quase não consigo me lembrar deles.
Parece que foi ontem, como sempre, o tempo passa rápido demais…

O verde musgo cobre tudo, não é possível diferenciar as árvores que nasceram, talvez, onde seus pés já pisaram.

Felizes, por estarem onde queriam, em meio aquela natureza de tons mortos, e perdida entre pedrinhas brancas e quartzo negro.
E ali se desfizeram ou desfazem, onde nasceram e se moldaram, perdidos e agonizados, cheios de medos e ódios ocultos.

Seu ser tão seu, que não se espalhava, como grãos de areia, agora se foi com o vento. Continue lendo “O último inverno dele”

Ópio

 

Seu olhar calmo e suave, parecem dois pontos de luz, que se mesclam com os raios solares e se amarelam, porém, não o amarelo vivaz do sol, mas o amarelo das folhas de outono, que caem ao chão por não terem mais vida.

Diz estar perdida, mas afinal, em algum momento esteve presente?

Eu sei que essa calma toda é o seu disfarce, sei que se esconde atrás dessa personagem, tornou-se intocável, ausente, distante, já não sente como antes, não mais ri, tão pouco chora, ou se chora ou ri, não percebe, tornou-se alheia até aos seus próprios sentimentos, e para os outros os esconde.

E jurou ser sensível, jurou compreender, mas agora sozinha vive, e nem liga, nem sabe talvez, que foi para longe… Continue lendo “Ópio”

Rota 517

Walking Walk.jpg

Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!

2 Coríntios 5:17

 

A estrada é de terra, ou pelo menos árida e empoeirada o bastante para apagar o asfalto, isso se for possível existir asfalto por aqui. O vento quente destrói o meu cabelo e elimina rapidamente todas as minhas pegadas, mostrando-me que para a natureza (ou para o dono dela), tudo é passageiro, irrelevante e será apagado! Independente de quem utilize este trajeto. Irônico… Meu coração está na mesma situação: tudo é indiferente, nada é capaz de deixar verdadeiras marcas. Pra ser sincero, jamais imaginei que uma estrada vazia seria a metáfora perfeita.

Continue lendo “Rota 517”

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: