Abraço anual

tumblr_meu0gyvwli1rh1wv4o1_500

 

Olá!

Se você está lendo isso, é provável que sejas um dos nossos seguidores diretos. Esse texto nasceu com o único intuito de agradece-lo justamente por isso. Então, por favor, conceda-me alguns minutos do seu dia. O que tenho para falar é importante para nós.

Dias atrás, nosso blog completou um ano de existência. Quando criei o Prosas, não imaginei que a coisa toda vingasse desse jeito. Numa maneira crua de dizer, esse blog nada mais é do que a reunião de pensamentos entre escritores juvenis distintos que estão por ai, espalhados, por todos os cantos do país.

Sim! É isso mesmo. Além de mim, há mais dois cariocas, uma mineira e dois baianos. Nós rapidamente chegamos a um consenso de que, para seguir com o blog, não precisaríamos bolar uma espécie de escritório oficial, distribuindo temas e histórias para cada um, fazendo das publicações uma forma de trabalho.

Optamos pelo mais simples lema… “Vamos escrever, quando a inspiração bater!” – Essa foi a ordem do negócio. O que deu ao Prosas e Café essa cara de diário, é o fato de que ele realmente é um diário; possui essa alma desde o início. E graças a Deus, encontramos um público educado, inteligente e parceiro que nos retribuiu com todo carinho do Mundo no decorrer desse processo.

Para nós, que estamos iniciando nesse mundo agora, confesso que ainda existem muitas coisas disponíveis para serem aprendidas. No WordPress, a quantidade de blogs excelentes é enorme. Verdadeiramente é um mundo de letras bem extenso. Só o tempo nos dará toda cautela, valor, profissionalismo e conhecimento suficientes. Como tudo na vida a primazia chega de forma gradativa, e temos isso em mente.

Durante toda a nossa caminhada, sempre separaremos um momento de agradecimento em memória de todos vocês, colaboradores, por tudo que fizeram e que continuam fazendo.

Nos sentimos abraçados, pra valer! Obrigado pelo carinho. E a melhor forma da equipe do Prosas agradecer é escrever, cada vez mais, textos melhores.

Aos nossos 196 digníssimos seguidores, desejo um bom dia e um ótimo fim de semana!

Até a próxima!

Lágrimas efêmeras

9225367700c8f850a40bba390d60125b

 

Todo escritor é atacado, às vezes, por um certo bloqueio mental. Um tipo de impasse que provavelmente atinge todas as classes de pensadores, desde escritores profissionais até amadores de bons rabiscos. Nesse bloqueio, tudo se resume a falta de conclusão para uma ideia inicial. Qualquer autor humilde concorda que é um tanto complicado bolar um bom desfecho, uma etapa final ou quem sabe, qualquer tipo de mensagem que traga sentido e reflexão aos leitores. Continue lendo “Lágrimas efêmeras”

Per tutti gli scrittori

Sad_Writer_by_eldawo.jpg

 

Quando nos tornamos escritores assumimos, obrigatoriamente, a missão de traduzir fatos, costumes, sensações, emotividades, sentimentos, verdades e mentiras. Fazendo o que há milênios foi considerado o papel da filosofia: levar o homem ao pensamento e reflexão, tanto sobre si mesmo quanto ao universo a sua volta. E talvez por isso, não acredito muito na aptidão de escritores que ignoram a Filosofia. Todo este compromisso com as palavras (sim, escritores são compromissados), assim como em qualquer outra missão, acarreta perigos e consequências. A pior delas é o pessimismo e a quase indelicadeza de fazer da sua vida (e do que nela há) utensílios para a construção daquilo que podemos considerar como “espelhos literários”, incorporados nas músicas, nos poemas, nas crônicas, etc.

Entretanto, infelizmente, ao olhar da maioria dos observadores, fazemos o que todo mundo é capaz de fazer e nossas obras sempre estarão abertas ao julgamento público. O senso comum e a falta de sensibilidade tenta passar a impressão de que a humanidade só não é repleta de escritores porque quase todas as pessoas possuem preguiça de se expressar. Além disso, afirmam que se você é escritor, tão somente é porque encontrou tempo suficiente para se dedicar ao ofício, ou que pelo menos teve “saco” para descrever uma realidade tão fria e irracional quanto a nossa.

É Eu sei: Tudo isso não passa de uma opinião vaga, pra não dizermos tola. Não é nada fácil escrever. Poucos sabem o quanto é árduo se dedicar por dias e dias lendo e relendo materiais de diversos autores (de gosto ou não), só para podermos adquirir bases sólidas para a cavalgada de futuros argumentos.

Inepto é quem acredita que o Mundo está sendo regido pela diversidade; há um só acordo, há um grupo seleto de governantes que regem o caos da nossa sociedade. E seja lá qual for à opinião deles, sempre vale relembrar que eles não gostam muito dos pensadores. De pessoas que se expressam, de gente capaz de espremer esperança a civilizações beiradas no caos.

E ao falar de esperança, falo exatamente da tal “elpis” do Grego (permanecer confiante), que pode ser considerada quase uma fé sem precedentes. Para tais “escritores eleitos” desse dom, ser capaz de transmitir a realidade nas letras, sobretudo na tentativa de produzir esperança nas pessoas que tanto criticam nosso trabalho, é também acreditar que nossas obras servirão como sementes para uma transformação futura, assim como a obra dos poetas passados nos concederam energia para trabalhar atualmente.

Partindo deste princípio, podemos concluir que a nossa missão esta inclusa na lista das mais nobres exercidas pela espécie humana. E que, como tudo aquilo que é nobre, sofre também da desvalorização e do esquecimento. Essa afirmativa é tão dura que, por desejo, prefiro acreditar que estou apenas sendo pessimista.

 — Leonardo veiga 29/07/2015

Genética melancólica

mr-writers-block-guy

Inicialmente parecerá um tanto estranho o que irei dizer, mas a verdade é que muitos poetas do passado enxergaram beleza na tristeza ou no status da possibilidade de ficar triste. Tornaram a vida pessimista numa sequência de idades românticas. Isso é fato visível e declarável nas melhores obras existentes até hoje: De Salomão a Sêneca, de Sêneca a Schopenhauer, de Schopenhauer a Dostoiévski, de Dostoiévski a Fernando Pessoa e de Pessoa aos músicos lendários do século passado. São alguns dos diversos escritores sócios do “clube eterno do pessimismo”  e que permanecem vivos no coração de qualquer cidadão atual refém da cultura.

Continue lendo “Genética melancólica”

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: