Carnevale

Droga!

Maldito tempo de festa

Tórridos dias de ódio

Ferventes noites de prazer

Composição dos quatro episódios

Dessa série que não tem você

Poxa!

Por que me deixou aqui sozinho?

Não danço, não canto e nem vibro

A letra do meu samba só leva saudade

Solitário, sem ritmo e perdido

Só vejo desvantagens nessa tal liberdade

Então!

Já aprendi a pensar na segurança

O Rio tá chato, sem confiança

Elejo uma cama e sua companhia

Te quero de volta, morena

Que se dane blocos

pessoas

folia

Pescador

Sonhar contigo é horrível!
E vou te dizer o porquê:
As lembranças acabam comigo,
Passo o resto do dia pensando em você.

Não posso te olhar com desejo,
Já decidi que preciso esquecer.
Mas quando os sonhos nascem do vinho,
Naufrago em perigo, não sei o que fazer.

Sonhei com você num barquinho,
Num frenesi de amar e ser amado.
Sonhei do tesão ao carinho,
Na proa, no cais, na rede e no nado.

Continue lendo “Pescador”

Congênito

Borboletas no estômago!

Este é o nome! Li por ai!

Sim. É isso o que eu sinto…

Toda vez que sou obrigada a te encarar,

Minha barriga gela, corrompe meus instintos.

Sinto-me lançada entre as ondas do mar,

Sensação estranha no umbigo.

 

Cara, eu não posso nem vê-lo passar,

Se der margem teremos problemas,

Mó vontade de te agarrar, guri!

Uma pena, uma pena…

Você não nasceu pra ser esquema.

Você é amigo!

Com amigos, remediam-se os instintos.

Mas sim! Dá vontade de te agarrar!

Sempre que vejo teu lindo sorriso.

Continue lendo “Congênito”

Charlie tinha razão

Tão certo quanto a falha,

Quanto a amarga falha da previsão do tempo.

Tão fracassadas foram as palavras dela,

Compactadas num término, sem razão ou sentimentos.

 

Mas eu conheço a semente que planto,

E no coração dela irei semear;

Charlie Brown estava certo!

Um dia ela vai voltar.

 

Tão certo que por vezes, belo.

De um verde musgo tal como o mar,

Oceano de pupilas cansadas da disritmia,

Amadas, perfumadas, amarguradas… andas sozinha.

 

Mas eu conheço a semente que plano, mano

E ela sabe o lugar na qual deve pousar,

Charlie, Charlie estava certo!

Um dia ela vai voltar.

 

Tão certo que desatento esqueço,

Lembro do nosso fim, cansou-se de mim; ó desatento!

Perdido no implexo dos perfumes-bilhetes,

Ficamos na dívida de um beijo a mais, um abraço a menos.

 

Mas eu conheço a semente que planto,

Não havia razão para me abandonar,

Charlie, o mestre, cantarolava mais do que certo;

Um dia ela há de voltar.

___

 

Ela vai voltar“, é a sexta música do álbum: “Imunidade musical”, da banda Charlie Brown Jr.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: