Coração Oco

No princípio eu acreditava que o vazio era um mal que só alcançava os grandes pensadores, os mais cultos, os membros da alta classe e os maiores filósofos de um século. Dostoiévski sofreu com ele, Nietzsche explicou-o por demasiado, Schopenhauer e Hegel falaram até cansar. Mas tudo se tornou confuso após alguns anos quando eu — mesmo sendo tão pequeno, pobre e insignificante — fui abraçado por esta mesma tenebrosa sensação. Através dela, prossegui numa estrada esquisita, confusa e muito, muito solitária.

O vazio existencial é o último degrau de todos os conflitos pessoais. E digamos que seja um pouco complicado debater o niilismo na juventude, sobretudo porque a maioria esmagadora dos jovens estão enraizados demais com a vida. Alguns mergulham na carreira, outros nos estudos, outros perdidos em volúpia, outros na fé ou viajando de região para região. No fim, todo mundo vive pelo que é, ou pelo que tem (o famoso ser ou ter). E todos possuem algo da própria vida que os definem por completo, quase como sinônimos diretos de si mesmos, como relacionamentos, profissões, currículos estudantis, religiosos ou qualquer outra coisa semelhante. Eu, por outro lado, não sou assim. Há anos não sou assim. A tecnologia da informação não me define, muito menos meus anos dedicados a ela. Minha escrita não me define, embora já tenha feito tanto. Minhas canções, meus projetos, meus discursos, minhas leituras e argumentos são, no geral, atributos de um ente inclassificável que leva meu nome de batismo. E é este ente que busco entender diariamente, tendo sempre a sensação de que ele é modificado por completo todas as vezes em que estou próximo de um resultado, obrigando-me a recomeçar e recomeçar e a tocar o barco com o peso desses recomeços habituais.

Continue lendo “Coração Oco”

Anúncios

Das ervas que restam

É. Lá se vai o terceiro copo de chá.

Dizem que é o tipo de bebida que nos ajuda a refletir e… quer saber? Não importa a quantidade de xícaras. Acho que só o tempo realmente nos ajuda a pensar, pôr as coisas no lugar, recuperar o fôlego e voltar aos eixos. Eu vivi uma maravilhosa e confusa aventura que, em teoria, acabou. Fato delicado e cheio de pontas soltas. O problema é que quando se relembra um fato por inúmeras e inúmeras vezes, os elementos principais se tornam meros detalhes e os meros detalhes passam a protagonizar a porra toda. A vida é vista por um novo ângulo, o passado é narrado sob uma nova perspectiva e as regras são ditadas pelas coisas das quais não fiz questão. Faz sentido, agora, o porquê de você só ter me procurado quando estava mal, quando não tinha ninguém para conversar. Faz sentido, agora, o porquê de você desaparecer quando está feliz, quando as coisas estão bem, quando tudo passa a dar certo. Eu acho que minha amizade foi convertida num escritório virtual de psicologia, tornando-me útil apenas para abraçar o seu lado mais obscuro. Quando esse lado hiberna, não tenho lugar na sua vida. E sou, então, educadamente deixado de lado.
Continue lendo “Das ervas que restam”

Na minha cozinha

Mergulho o anelar direito no bolo de chocolate,

Eu não sei: acho que estou sorrindo.

Mas não é qualquer sorriso — distinção que aprendi a fazer.

É o sorriso perfeito. Aquele feito pra você.

Ouço o sino da catedral. A hora é exata e a fala é muda.

As folhas vagueiam lá fora; no tempo, no vento, nas memórias.

Aponto o dedo, você chupa. Transpira. Fecha os olhos. Lambe.

Quente, salaz, tentador, inolvidável, lúbrico, Ual… apetecível!

Trovejou em mim; intrínseco.

Vai chover lá fora; inelutável.

Eu não sei: acho que estou feliz.

Mas não é qualquer felicidade — distinção que aprendi a fazer.

É tê-la de cerne na vida. Coisa que outrora, optei por esquecer.

Innermost

Try to unravel my persona, my work, my World. However, never try to unravel my heart. My heart is an attic locked, sealed, hidden and protected. Guarded in the confines of the basin of souls and defended by the most powerful spirits.

It’s in him, about him and inside him, that all magicians, sages, poets, lovers, fairies and angels deposit their ideas, their sorrows, their projects of glory, their interpretations of the world and their unfinished desires. My job is to give birth to all of this.

There are, within that attic, pieces of the most varied riches. Alone, it is nothing and, together, are the best things that could come from the hands of a man.

Continue lendo “Innermost”

Abrigo

Eu vou me esconder aqui. Apagar as luzes, silenciar tudo. Vou observar o mundo como se eu não existisse. Eu vou ser a platéia secreta de um grande espetáculo. Vou aplaudir como se eu não participasse disso. Eu vou fingir que nada acontece. Vou ver a vida passar por um buraquinho, onde, curiosa eu observo as cenas transitarem por dentro da esfera, enquanto eu me protejo no meu esconderijo. Eu vou ignorar as vozes que ditam as regras, ou até aquelas que apenas chamam pelo meu nome.

Eu vou ficar presente, mas ausente.

Eu vou me refugiar nas minhas barreiras de onde eu nunca deveria ter saído.

Eu vou desarquivar todas as minhas promessas, e uma por uma vou julgar perante as minhas leis. Eu vou limpar o meu nome da cidade do meu corpo, vou me libertar das sentenças que eu mesma me impus. Vou andar por ai segundo os meus parâmetros, vou devotar a mim mesma extrema atenção.

Descobri que o mundo é dos egoístas, e que ninguém é obrigado a me amar além de eu mesma.

Eu vou girar em meu torno, eu serei o meu satélite, eu vou esquecer que os outros planetas ainda orbitam.

No fundo, porém, eu vou morrer sabendo que o mundo ainda gira, que tudo ainda respira, e que eu sou apenas eu no meio de um furacão.

Rehab

Em sonho, fui até o vale dos medos e balancei o sino da desonra.
Bradei aos quatro ventos! Exigi a presença de todos os espíritos e eles vieram, girando as chaves das minhas vergonhas, maldições, segredos e volúpias, entre suas unhas, tentáculos e garras.
Ajoelhei-me perante eles, ensaiei minha rendição. Joguei mentiras ao vento, deixei o pânico prevalecer. Meu corpo fedia. O cabelo: gosmento, o bafo: cachaça.
No cair da primeira lágrima, os monstros deslizaram entre as sombras, suas correntes alcançaram meu encalço. O relógio abraçou a meia noite, o nevoeiro decorava a humilhação.
Eles eram muitos, eles eram poderosos. E cantaram vitória e profetizaram meu acórdão e zombaram dos meu sonhos e rasgaram as minhas vestes e cuspiram no meu rosto.
O tempo talvez estivesse lá, mas só fingiu que passava.

Continue lendo “Rehab”

My Fault

Maybe I should have caught the rain.
I would get a cold, I know,
But at least I would have you here,
By my side.

We invented so many excuses,
And we hide behind so many games,
We let time go by without realizing it.
Without giving due attention to their weight.

I gave you the choice to leave,
And you chose to go.
I knew you had two options
I just did not know I had none.

Yeah!
Maybe I should have caught the rain,
Colds come and go,
As well as the healthy moments.
But love is forever… you are forever!

I did not know.
I did not care.
Therefore, I lost you.
Today the rain has passed, I’m healthy.
Healthy, but alone.

Torpe

Devo parar com essa mania de deixar o celular sempre no modo silencioso, aliás, não devo. Por pouco não te atendo, melhor, o atendo.

Coloquei o número desconhecido no WhatsApp para ver de quem se tratava. O susto manifestou-se com os mesmos lábios entreabertos que uso em frente ao espelho para ajeitar o cabelo: Você na foto, aparentemente, usando o terno que te vi pela última vez, sendo sepultado.

“Alguém tirou uma foto sua com aquele terno e está você aqui” – pensei. Lembranças vieram a tona. Não era possível que você viesse me assombrar do além, e mais uma vez ouviria os seus gritos, e eu gritaria de volta como sempre fizemos…

A calmaria veio logo depois, não era você na foto, era o meu tio, o seu irmão. Vocês nunca se deram bem. Acho que eu também não me dou bem com vocês ainda…

O que doeu fino e agudo em forma de peso na consciência foi: Acho que esqueci um pouco as suas feições. Senti no meu peito batidas tão lentas quanto as suas, e uma lágrima pesada que estava segura desde a semana passada desceu.

Eu tenho lembrado de você constantemente e tenho feito grande esforço para limpar o teu nome no meu coração.

Não vou retornar para o tio. Eu não sei o que ele quer e lhe devo dinheiro.

No mais, tudo que te peço é que, por favor, pare de frequentar as aulas de microbiologia, estragar os meus relacionamentos e não me “ligue” mais. A nossa última conversa foi boa, não quero que você me ofenda e estrague tudo. Como sempre fez.

PS: Eu retornei a ligação para o tio, mas ele não atendeu. Deve ter ligado por engano…

O Mecanismo

Todos os dias no caminho para o trabalho, passo por uma determinada rua. E nessa rua há uma determinada casa. E essa determinada casa difere das outras, de uma maneira pra lá de incomum. Sua porta e janelas são velhas e estão sempre trancadas. Sua cor já foi perdida na aparência desgastada, seu quintal está repleto de mato, seu telhado está quebrado, sua afiação foi rompida e ela não possui muros. Não há sinal de vida no lugar. O único objeto familiar a meu ver está desenhado na parede: uma bandeira do Brasil grafada a giz, feita no puro cimento.

Quando passo por ela, sinto uma catinga forte, inconfundível. Uma podridão insuportável, além do barulho infernal das moscas que rondam algum canto incerto da casa. Não sei dizer se elas estão em cima, ao lado, nos fundos ou dentro da residência. Tudo que sei é que posso ouvi-las — uma eternidade em segundos.

Todos os dias eu me pergunto como a vizinhança não estranha tal situação. Perguntou-me como ninguém busca saber o que causa o mau cheiro na casa, ou o motivo da nuvem moscas. Qual seria a razão de permanecerem tão inertes, tão indiferentes, num ambiente completamente desconfortável? Não conheço a verdadeira causa, se houver uma.

Continue lendo “O Mecanismo”

Ponto e vírgula

Olhando a lua percebo que talvez eu nunca tenha mudado. E se eu sobrevivi antes e antes, eu posso sobreviver de novo.

Entramos em um estado em que deixamos de nos abater e de acreditar que é o fim do nosso tempo, e enxergamos o quanto somos fortes para termos chegado até o presente. São tempos difíceis agora, mas eram também antes. E aqui estamos. Aqui estou, no caso. Somente eu.

Acho que começo novamente a entender quem eu sou, ouço o barulho dos muros de fantasia se derrubando, e o estrondo que a ingenuidade e a confiança fazem ao cair ao chão.

Sinto a necessidade de demolir o prédio de concreto que eu mesma edifiquei, e sinto-me forte o bastante para vê-lo se desmoronando. Estou preparada para inalar toda essa poeira, considero-me imune a qualquer intoxicação que ela possa me trazer. Chega. Eu termino essa fase por aqui, e mesmo machucada e com uma vida repleta de entulhos de um prédio derrubado, eu sei que venci.

Semanalmente

Novamente ele perde o ônibus. Outro deslize de tipo e logo ficará desempregado. Ele não se importa, embora devesse se importar. Ele não está nem ai, embora precise estar. Há anos se sente perdido, ressentido, deslocado, atrapalhado. Pela quinta vez, arrisca tirar a pele do machucado, porém a ferida volta a sangrar, ela sempre volta a sangrar. Não secou, não está pronta ainda. Ele pira! Xinga! E saliva a marca feia no braço. Insiste na cura que não chega. Berra contra o tempo que não passa.

Continue lendo “Semanalmente”

Procuro-me

Eu sinto a minha falta. Sinto falta daquela que acredito ser eu e tento encontra-la desesperadamente.

Já não sei quem sou. Não sei quem é aquela que me olha assustada no reflexo do espelho aflita para encontrar algo, tão pouco conheço aquela que sorri despreocupada de coisas sem graça.

Perdi-me em algum lugar. Essa que sou hoje tenho certeza que inventei.

Não sei do que gosto mais, e nem o porquê que venho sendo quem sou. Entreguei-me as correntezas da vida e elas traçaram o meu rumo baseadas no improviso.

Já não sei o que quero. Já não para onde vou. Não sei quem é essa que eu chamo de “eu”, e que eles dizem “você” porque quando a vejo, não me vejo, e quando a sinto eu tenho medo.

Se encaro-me voluntariamente ou acidentalmente, logo quero fugir de mim. Logo busco alternativas para não olhar-me. E não me olho, ignoro-me totalmente. Em uma atitude radical finjo que não me vejo.

Tenho falado a palavra “excelente” e “loucura” excessivamente. Dormido pouco, comido menos. Essa não sou eu.

Certa vez pintei secretamente um auto retrato de quem desconfio ser-me, ainda que seja apenas um esboço, guardei-o como se guarda o mais valioso tesouro. Talvez eu deva enfim torna-lo público para que os outros me ajudem a encontrar-me. Porém não farei isso. Se aquela for realmente quem sou, ela é só minha, e mesmo diante da incerteza, chamei-a Eu e vou guardá-la só para mim. E guardei-a em uma caixinha, não sei exatamente onde, mas foi por ali, dentro de mim.

Já faz um tempo que não abro a caixinha e a olho. Espero que Eu ainda esteja lá.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: