Você precisa saber de mim.

capa

Eu vivo sem muito  porquê,

meus versos despedem de ti,

os meus passos se esquecem em si.

Onde é  que eu me vou sem você?

 

Não tenho mais rima, confesso.

Eu sei, meu amor, eu não sei.

Ficaram no Rio meus versos

e aquele sorriso que dei.

 

Não quero te assustar assim,

mas tudo parece e é tão triste.

Eu sei que essa dor só existe

porque  estás longe mim.

 

bagunça acumulada

tarde de sábado… uma tarde esquisita – eu diria. tô ouvindo “Unwell” do Matchbox Twenty, tá caindo uma chuva fina. fiz um café e abri a janela do quarto, fico a observar o cair da tarde e o chegar da noite. hoje tá tudo estranho. parece que o nosso estranhamento de dentro é sempre compatível com o estranhamento de fora – aqui dentro eu tô confusa, triste e o dia tá estranho, meio triste, não sei.

acho que vou ver um filme, mas tô sem vontade de fazer nada. até de ver filme eu tô com preguiça. só quero terminar meu café e cair na cama e só acordar amanhã depois do meio-dia. ou talvez tenha que acordar antes – preciso fazer compras, só tenho café, cerveja e leite. hoje eu disse que ia fazer compras, mas não tive coragem de levantar da cama. pedi o almoço e nem comi – estraguei dinheiro e comida mais uma vez.

tá um silêncio aqui. eu gosto. nunca me dei bem com barulhos. quando saio no centro e fico observando a correria e o barulho da cidade só penso em chegar logo em casa. é estranho que eu procure sempre por lugares calmos sendo que por dentro eu sou barulho e correria. minha vida é uma eterna correria. meus sentimentos são apressados, meus passos rápidos demais, meu pensamento tá sempre acelerado. o silêncio acalma a caos que sou eu.

Continue lendo “bagunça acumulada”

Cuida de ti

Cuida de ti porque vem por ai dias difíceis, e na maioria deles você estará sozinha escondida entre as paredes do seu próprio eu, tentando organizar a sua bagunça interna, tirando os entulhos que você escondeu no tapete, e lavando a louça suja da visita que já foi embora. Tu tens que cuidar de ti porque você é o seu primeiro ponto de referência, o primeiro mundo que você conheceu, aquele que é sua estadia certa.

“Cuida de ti, está bem?”

Uma colega da faculdade me enviou uma mensagem com o print de uma foto antiga minha, ela me perguntou o porquê que eu não usava o cabelo como na imagem, e completou dizendo que “o pessoal do fundo agradeceria” — além de dois “Ks” adicionais. Eu lhe enviei perguntado de qual jeito que o meu cabelo incomodava mais, e depois que ela demonstrou a sua “preocupação” sobre eu ficar com raiva, ela respondeu que preso “porque ai você joga ele todo para o alto”. Eu lhe disse que passaria usar assim mais vezes, já que não estava afim de agradar.

Meu cabelo não é esse exagero todo, sabe? E sabe de outra coisa? Essas “coisinhas” mexem com a gente que é um beleza… Continue lendo “Cuida de ti”

Correspondência in-completa

*Para Ana Cristina Cesar

Oi,

É quarta-feira e eu tô deitada em minha cama te escrevendo. Faz alguns anos que li umas coisas sobre você. Li suas obras e sou fascinada pelas cartas. Fico procurando entender o que a fez ir embora tão cedo. Queria tê-la conhecido. Queria ter feito parte de sua vida – meio louco, né?!

Você é uma dessas pessoas que eu daria qualquer coisa para ter convivido ao menos um pouquinho. Ler você só me faz querer buscar entender o que se passava com você naquela época. Te ler só aumenta o meu desejo de tê-la conhecido de perto. Queria ter assistido as aulas da faculdade com você. Queria ter participado dos grupos de estudo que você participou – nem que fosse como uma mera observadora. Queria tê-la observado de perto. Encantadora, misteriosa e uma poeta fodástica.

Continue lendo “Correspondência in-completa”

Carta sobre nada

Os dias têm sido complicados, perdoe o sumiço. Tenho tido preguiça de escrever – é tão ridículo eu ter preguiça de escrever. Perdi muitas histórias boas nos últimos dias. Preciso voltar a escrever, escrever de verdade. Meu estoque de textos para o blog está acabando e se eu continuar com essa preguiça minha vida também acabará. Percebeu quantas vezes utilizei a palavra “preguica” só no primeiro parágrafo?

Tô ouvindo Elliott Smith, hoje todas as músicas dele estão a me fazer chorar e não sei o porquê. Estou chorando apenas. Que dias difíceis, não?

Continue lendo “Carta sobre nada”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: