Ócio

É a segunda quarta-feira do mês. Acordo cedo e fico deitada de olhos fechados com os fones no ouvido. Levanto às 9h30, tomo banho e saio para esperar o ônibus que passa duas ruas depois da minha. Chego ao shopping às 11h e como o filme só começa às 11h40, resolvo tomar um café. Sento-me e peço um expresso pequeno, tiro da bolsa meu cardeninho e minha caneta lilás. Tento escrever algo, mas não vem nada em mente. Fico então a observar as pessoas que passam de um lado para o outro, entram nas lojas e saem sorridentes com suas sacolas. Tento novamente escrever algo, mas não me vem nada em mente. Termino o café e subo para comprar meu ingresso, pois já passam das 11h30. Não demoro muito na fila, compro meu ingresso e vou para a sala três. Escolho a terceira fileira de cima para baixo, uma cadeira que tem a visão central da tela. Sento-me.

Continue lendo “Ócio”

Me enxerga

Já se decepcionou com si mesma a ponto de querer sumir? Já se sentiu inútil? Já quis viver isolada em uma ilha deserta? Já teve medo de não ser boa o suficiente? Já teve medo de não ser da forma que te imaginam? Vez ou outra chegam essas perguntas. Me faz refletir sobre muita coisa. Sobre os rumos que estou dando à minha vida…

Eu já quis / quero tanta coisa. Mas falta coragem, sabe? Falta coragem e sobra medo. Eu fico aqui paralisada enquanto o tempo vai passando. Eu fico aqui presa em mim mesma enquanto lá fora a roda gira. Eu fico aqui querendo tudo e não fazendo nada. Eu fico presa no olhar do outro e esqueço de me enxergar – do meu jeito, entende? -, de me ver pelas lentes dos meus olhos e não pelas de quem me cerca.

Continue lendo “Me enxerga”

Instantes

Hoje esperando o ônibus me deparei com uma senhora. Uma senhora alegre. E eu me perguntava porquê ela demonstrava de forma tão sutil tanta felicidade. Sua altivez me impressionou. No decorrer da conversa ela me contou que teve câncer, tirou a mama e está fazendo outros exames, pois desconfia-se que ela possa ter outro câncer. Da forma que ela me contou nem parecia algo triste, sabe? Foi sutil.

Confesso que por alguns minutos eu senti vergonha de mim. Eu sei que não devemos comparar nossos sofrimentos, mas aquela senhora de 78 anos me fez repensar algumas coisas. E nós falávamos dessas coisas de que as pessoas estão cada vez mais desanimadas e ela me disse que sempre busca manter o ânimo, procura fazer outras coisas, coisas que a fazem se sentir bem. Ela dizia que o país está uma nojeira e que não se pode abaixar a cabeça e deixar que certas coisas nos roube de nós mesmos. Continue lendo “Instantes”

Eu tô tentando

Passamos a infância toda querendo ser adultos e quando nos tornamos adultos queremos voltar a ser crianças. Como não podemos voltar, vamos tentando fugir de todas as maneiras. Colocamos aquelas músicas “antigonas” pra tocar e esperamos esquecer as merdas que fazemos no presente relembrando as boas coisas do passado. Quem somos nós?

Hoje foi um dos piores dias da minha vida. Queria fugir, desaparecer, ser sugada pela terra ou qualquer outra coisa. Como nem tudo que quero acontece. A única maneira de “fugir” foi me refugiando em umas músicas das antigas. Porra, impressionante como o tempo passa rápido.

Continue lendo “Eu tô tentando”

Sobre ter amigos…

É difícil, não é? Confiar em alguém. Encontrar um colo pra desabar naqueles momentos complicados. Triste, você tem andado triste. Teu sorriso já não brilha mais. É difícil enfrentar a tristeza sozinha.

Nunca fui muito de demonstrar sentimentos, nunca fui muito de me abrir com qualquer um. Sou alguém de raríssimos amigão. Sempre acreditei que seria capaz de enfrentar qualquer barra sozinha. Sempre acreditei que poderia guardar tudo só pra mim, mas percebo que não é assim. A gente precisa de ombro, de colo. A gente precisa ter alguém com quem conversar. Alguém pra compartilhar as coisas boas e ruins.

Continue lendo “Sobre ter amigos…”

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: