Sorte

Hoje de manhã ainda chovia, mas quando abri as janelas percebi que se podia sentir e ver o sol.  Apático. Antipático. Ele continuou lá. Reluzente. Convidando-me a colocar mais do que a cabeça para fora e ir conferir de perto o dia e o tempo novo que se fazia.

Pisei descalça naquele chão molhado e senti a água gelada tocar os meus pés. Observei cada flor intacta e toda pétala caída. Algumas plantas pareciam sorrir, em outras como no Lírio da Paz, claramente se via uma expressão que dizia que a chuva já estava exagerando.

Mais à frente avistei muitas plantinhas de um verde cor de esperança, cor de sorte e também… cor de fantasia. Aproximei-me. Ajoelhei-me. E os meus olhos viram e descobriram pequeninas folhas em formato de coração bem manejadas e articuladas em galhinhos frágeis e finos. Azedinha – pensei – mas não era, era trevo! Continue lendo “Sorte”

Deixa pra lá!

A sala estava uma bagunça porque todas as coisas ainda estavam empacotadas. Paloma sentou no sofá girando as chaves da nova casa com a mão direita. Havia ficado entediada, faltava apenas uns dez por cento para o tédio consumir seu cérebro de vez. tinha muito o que fazer, não sabia por onde começar. Seu relacionamento estava péssimo, seu parceiro não percebia. Na mão esquerda segurava um copo de requeijão com vodca pura e gelo, na sua frente havia um quadro torto de pelo menos oitenta centímetros com a foto do James Brown, paixão eterna do noivo. Hector estava parado na janela lendo um livro que tirara de uma das caixas e, por falar em caixas, elas estavam por todos os lados – grandes pequenas e médias. Não fazia muito tempo que os dois chegaram a São Paulo, acabaram de estrear o apartamento novo próximo ao Ibirapuera. Os caminhões deixaram o condomínio há vinte minutos, as mudanças foram soltas por todos os cômodos, o céu estava nublado, o dia silencioso e o casal com preguiça. “Estou te dizendo: tem alguma coisa errada. Qual era mesmo o nome da loja que te vendeu essa garrafa?”, perguntou Paloma. “Não interessa. É original, relaxa e beba.”, respondeu Hector. “Tá horrível!”, ela retrucou e continuou; “Tô dizendo… Eu já bebi Ciroc antes. Alguma coisa está muito errada com isso aqui”. Hector ignorou o comentário e deu um alerta, “Você não deveria beber tanto”, disse e não parou por ai, “Vou ter que trabalhar mais tarde e você ficará com as caixas, ok? Se ficar bêbada poderá quebrar meus discos”, finalizou. Paloma se irritou automaticamente:

Pô! Você vai trabalhar de novo? Sábado a noite? Que sacanagem, tá sempre ausente. Eu vou ter esse trabalhão todo com a arrumação sozinha?

Fica quietinha, chuchu. Estou tentando ler – Respondeu Hector.

Paloma engoliu a resposta, aquilo arranhou a garganta, o coração, a paciência. Passados alguns minutos, Hector acendeu um cigarro e começou a gargalhar. Começou baixinho e foi aumentando o volume, uma tentativa falha de incomoda-la, de quebrar a barreira da mudez. Pegou a primeira folha que viu pela frente – parecia ser um recibo qualquer – e colocou na página do livro que estava lendo. Saiu defronte a janela e caminhou na direção da noiva que não parecia estar nem ai pra sua animação. Ficara claramente chateada com o comentário anterior, qualquer um perceberia, menos ele. Em seguida, sentou-se no braço do sofá, cutucou-a e começou a falar;

Continue lendo “Deixa pra lá!”

Previsivelmente imprevisível

Depois que largamos o expediente e trancamos a empresa, caminhamos até a esquina da rua e sentamos na mesa de um bar. Era o único bar em três quarteirões, nosso point certo de todas as sextas-feiras. Não ficamos dentro do bar, pegamos uma mesa na calçada. Era a trupe de sempre: eu, Joana, Alexandre, Eduardo, Renato e Erica. Ao sentar o Eduardo (ou Dudu, para os íntimos) quase quebrou a cadeira. “Calma ai cacete! Mal chegamos e tu já quer tirar dinheiro da minha carteira?”, disse Alexandre, nosso patrão. Todos gargalhamos e, em seguida, a Joana pegou o menu. Era uma tarde ensolarada, horário de verão. Estava um pouco abafado, mas corria vento entre as folhas das árvores mais altas. Um pagode dos anos 90 tocava ao fundo, abafava as sirenes presentes em algum lugar ali perto. O Flamengo iria jogar dentro de algumas horas, na mesa ao lado alguém falava mal da Dilma. Num período entre trinta a quarenta segundos após nos ajeitarmos ali, todos juntos começaram a mexer no celular. Uma espécie de hábito ou ritual inconsciente. Joana largou o cardápio, Renato pegou, mas jogou na mesa em seguida. Alexandre abriu o aplicativo da câmera, cutucou Joana (ou Jô, para os íntimos). Eles tiraram uma foto. O celular de Eduardo tocou em seguida, “Ih fudeu! Minha mulher, pessoal. Ela não pode saber que tô aqui. Calma ai, povão; Já volto”, disse. Em seguida se levantou e se afastou do bar, ele gesticulava bastante enquanto falava ao telefone. Eu estava sentado na ponta da mesa, Alexandre na ponta oposta. Erica estava a minha esquerda, Renato a direita. Dudu a direita de Renato e Joana a esquerda de Erica. Eu também cai no vezo de me envolver no celular, estava olhando o Facebook até Erica colocar a mão direita no meu braço. Ela tem uma pegada leve, poderia ser massagista e ganhar muito dinheiro nisso, entretanto se formou em administração e passava o dia organizando documentos do arquivo. Vivemos numa era onde as pessoas são felizes exercendo aquilo que gostam e não aquilo que são geneticamente propensos a fazer. Seria o tipo de atitude passível de banimento nas tribos pré-históricas, talvez. Atualmente é algo bonito de se ver, demonstra liberdade. Todavia no caso dela, em especial, eu realmente acho que ninguém com a mente sã gostaria de trabalhar em meio ao stress dos arquivos. Reparei nos seus dedos, notei que ela estava sem a costumeira aliança. Foi uma sacada rápida, logo subi o olhar e ficamos encarando um ao outro. Ela só queria me passar o cardápio, porém seu corpo estava falando ao meu corpo que aquele ato significava alguma coisa subentendida. Era isso ou, quem sabe, só fui abalado pelo seu dom natural.

Anda! Escolhe ai, Marcus – Ela disse me passando o menu. Peguei a folha plastificada, dei uma leve lobrigada e respondi.

Acho que deveríamos pedir uma porção de gurjão. Aquele maldito molho é delicioso! – Disse olhando para a imagem das iscas de frango.

Porra! Eu te passei pra escolher algo para bebermos. Você só pensa em comer, Marcus. E comer só frango, infelizmente… – Respondeu Erica.

Todo mundo riu e o garçom chegou. Alexandre não deixou ninguém falar, assumiu o lance. Ninguém teve a ousadia de sair pedindo, até porque ele insistiu o dia inteiro que iria pagar a conta. Quem paga a conta exerce também um direito de superioridade moral não esclarecido sobre todos os demais elementos da mesa. Qualquer um que bebe sabe bem disso, um axioma esclarecido. Ninguém assume em português claro porque é desnecessário.

Continue lendo “Previsivelmente imprevisível”

2049

Na primeira vez que a encontrei não pude ver seu rosto. Uma bolha de sabão entrou nos meus olhos no exato momento em que eles se preparavam para capta-la. As crianças fazem bolhas de sabão na praça, é gostoso… as bolhas combinam com o clima ensolarado e com as músicas matinais de domingo. Ao recuperar a visão, assisti quando as amigas a levantaram e jogaram no chafariz. Ela parecia não se importar… O vestido branco deixava escapar a cor de sua calcinha, porém ela não estava nem ai! Chegara a carta de aprovação na universidade. Não era preciso ser muito esperto pra perceber que aquela notícia entraria no hall de conquistas da sua vida, não era preciso ser muito esperto pra perceber que eu já estava apaixonado. Vi seu lindo sorriso, combinava com as bochechas rosadas. Jamais me esqueceria daquele rosto, daquelas sardas, ou daquele cabelo molhado. Graças a bolha, minha vista estava vermelha e pulsava. Mas não tanto quanto meu coração.

Continue lendo “2049”

A Hipocrisia nossa de cada dia

Trabalhar a noite destrói a cabeça de qualquer cidadão. Ninguém em sã consciência consegue manter essa pegada por muito tempo sem perder um pouco a sanidade. Minha empresa, pra variar, ficava bem longe de casa. Dirigi durante duas horas até chegar no meu bairro e quando faltavam apenas três quarteirões, lembrei de alguns itens básicos que estavam pendentes na minha despensa. Fiquei puto comigo mesmo, dei uma pancada no volante. A buzina disparou sem querer, uma mulher que caminhava com o cachorro me olhou feio da calçada. “Ah, tá olhando o quê, tia?”, suspirei. Dei uma freada horrenda para desviar de um bueiro sem tampa e, logo em seguida, joguei o carro na contramão. Cai pra esquerda, entrei numa rua sem saída, fiz o contorno e segui em direção ao mercadinho que ficava ali perto. Minha única preocupação era com o horário, eu largo muito “cedo”, sequer havia dado sete horas da manhã. A rádio tocava um MPB meloso, o sol matinal fez a minha barba coçar. Isso foi bom por um lado, pois me fez lembrar que minha aparência pós serviço não é lá das melhores, precisava “dar um tapa” na situação e foi o que fiz – abri o porta-luvas, coloquei meus óculos escuros. Gostava dos óculos escuros, por ser ruivo, eles me faziam parecer o Nando Reis. Eu detestava o apelido, mas até que era uma boa massagem de ego. Passei a mão no cabelo, fiz umas caretas no retrovisor, meti a mão no bolso direito, puxei um chiclete, relaxei no banco e aumentei o volume do rádio. Cheguei minutos depois, fiquei surpreso quando vi o mercadinho aberto. “É isso ai! Dei sorte”, exclamei. Mas enquanto pegava a carteira e trancava o carro, lembrei que o dono costumava abrir o estabelecimento de manhã para vender pães. Logo não tinha nada a ver com sorte. Por ora relaxei, mas naquele momento eu não sabia o quanto as coisas iriam piorar.

Continue lendo “A Hipocrisia nossa de cada dia”

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: