Estupefato

Poesia, velha arte do encanto
E se descer-me o teto escuro
Quem há de iluminar meu canto?

 

Se hoje sou poeta,

O sou pois já amei e tanto

Que as rimas indiscretas

Derramo no papel, de espanto

 

E o susto arrepiado dos meus versos

Faz o som mais predileto

Quando encontra os lábios teus

 

Ruas, coisas tortas de concreto

Onde passo em desconcerto

Procurando os passos, Deus!

 

Mas se acabar meu universo

E eu versar o avesso inverso

Desse verbo que era meu

 

Vivo! Em silabadas no meu peito

Embalando um som perfeito

Meu amor jamais morreu.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: