Flagelado Proletário

Trabalho!

Por hoje não penso,

Apenas trabalho!

Produzindo histórias,

Escrevendo enredos,

Desenvolvendo games,

Expandindo neuros, elos,

Ocupando minha frágil mente.

Trabalho!

Por hoje não penso,

Apenas trabalho!

Subindo e descendo,

Ligando e desligando,

Apagando e acendendo,

Deletando e reescrevendo.

Zangado com o destino,

Embriagando as memórias.

Mergulhado em compromissos,

Abrindo mão da trajetória.

Trabalho!

Por hoje não penso,

Apenas trabalho!

Porém o descuido é arbitrário

Esbarro na sua foto, caio.

Nervoso, inquieto, encaro.

Ligo o rádio, disfarço.

Azar de quem ouve o desabafo.

Mentira — não te odeio no presente.

Verdade — te amei, mas é passado,

Trabalho!

Por hoje não penso,

Apenas trabalho!

Na esperança de uma noite quente,

Bar, copo cheio, música popular.

Alguém diferente, vestido indecente,

E trechos, Artes,

Pecados, Mensagens,

Desejos, Promessas,

Perfumes, Viagens.

Só para me perder,

Só para procrastinar,

Só para esquecer de você,

Só para fingir não pensar,

Que ainda quero,

Que ainda sonho,

Que ainda amo.

Não! Não! Não!

Melhor trabalhar.

Anúncios

2 comentários em “Flagelado Proletário

Adicione o seu

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: