Silêncios

Senti vontade de escrever a você. Há tanto tempo não lhe tenho mandado notícias. Agora que o faço, não sei por onde começar. Há tanto não escrevo cartas. Mesmo assim volto a elas porque foi nelas que encontrei alento quando nada mais fazia sentido – não que agora algo faça sentido.

Experimentei do silêncio. Experimentei do não dizer. Nada em mim dizia coisa alguma. Nada em mim desejava coisa alguma. Havia barulho lá fora, mas em mim, aqui dentro o silêncio reinava. O silêncio fez confusão em mim.

Meus silêncios são sempre barulhentos. Ontem fiquei pensando no que eu podia ter feito, no que eu podia ter sido. Lembrei de você lamentando por tudo o que não deu certo. Por tudo que podia ter sido, mas não foi. Lamentei por tudo o que não foi. E seria hipócrita se dissesse que não sinto saudade daquilo que não foi. Você me entende, não é? É, eu sinto saudade daquilo que nem aconteceu. Você se pergunta como é possível – eu só sei dizer que é possível.

Não consigo mais dizer coisa alguma. Confesso que escrever cartas é um processo doloroso e que muitas das vezes acabo não conseguindo dizer tudo o que havia planejado dizer.  Acabo por aqui. Perdoa as poucas palavras e as muitas lamentações.

Te aguardo.

C.

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: