Correspondência in-completa

*Para Ana Cristina Cesar

Oi,

É quarta-feira e eu tô deitada em minha cama te escrevendo. Faz alguns anos que li umas coisas sobre você. Li suas obras e sou fascinada pelas cartas. Fico procurando entender o que a fez ir embora tão cedo. Queria tê-la conhecido. Queria ter feito parte de sua vida – meio louco, né?!

Você é uma dessas pessoas que eu daria qualquer coisa para ter convivido ao menos um pouquinho. Ler você só me faz querer buscar entender o que se passava com você naquela época. Te ler só aumenta o meu desejo de tê-la conhecido de perto. Queria ter assistido as aulas da faculdade com você. Queria ter participado dos grupos de estudo que você participou – nem que fosse como uma mera observadora. Queria tê-la observado de perto. Encantadora, misteriosa e uma poeta fodástica.

A primeira vez que ouvi um poema seu foi em um sarau. Eu fiquei fascinada logo de cara – puta merda que poema! Quando cheguei em casa fui procurar mais poemas seus, li “Psicografia”, “Fisionomia”, “Fagulha” e outros. Depois fui procurar seus livros e encontrei além dos poemas fantástiscos uma dúzia de cartas. Eu não sabia a sua história, não sabia o que tinha acontecido com você, mas quando li uma de suas cartas fui procurar pela sua biografia. Fiquei mal pra caramba quando vi o motivo de sua morte e que você tinha partido tão cedo. Fiquei triste pra caramba. Pesquisei muito sobre você e queria de alguma forma entender o porquê de você ter ido tão cedo.

Li seus poemas, as cartas de “Correspondência incompleta”, aquilo que as pessoas próximas falavam de você… li as cartas de Caio F. em “Cartas” – muitas delas falavam de você. Continuei lendo seus poemas, comprei a Antologia Completa e te lia sempre – ainda leio -, mas parei de pesquisar. Só há pouco descobri que tinha um documentário sobre você – Bruta Aventura em versos, que por sinal é incrível e que é um dos seus versos apresentado como “fragmento 6” em “Poética” -, alguém que também te lê acabou por me indicar.

Seus textos são intensos demais. A sua sacada em “Correspondência Completa” foi demais – sua maneira de brincar e colocar uma segunda edição quando não existia uma primeira. Não consigo enxergar nada que indicasse que você iria embora tão jovem – apesar de que você não foi, não é?! você permanece e o que permanece também é essa lembrança jovem, dessa pessoa de óculos escuros e cabelos ao vento. Seus textos são pra mim textos de alguém que viveu a vida intensamente, exageradamente e de forma única porque você era realmente incrível e única.

Ler tudo isso que você escreveu faz sentir como se você ainda estivesse viva – porque você está, pode crer. E lendo tudo que você escreveu percebo o quanto você era complexa – não uma complexidade ruim (rs), mas algo admirável. Admirável, complexa, misteriosa, exagerada, intensa… você era mais que tudo isso. Indefinível! Você era definitivamente alguém muito particular que escrevia de uma forma singular sobre qualquer coisa. E é inútil de minha parte querer buscar explicações para explicar alguém que viveu de forma tão ávida – talvez agora eu entenda não por causa do que li sobre você ou o que li de você… talvez você também não entenda isso.

definição
(ana c.)

poeta é onda
onda é canto
canto é espera
espera é adeus
adeus é morte
morte é nódoa
nódoa é ostra
ostra é ensaio
ensaio é busca
busca é poeira
poeira é poeta

 

Beijo.

Júlia

 

Um comentário em “Correspondência in-completa

Adicione o seu

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: