Eu que não amo você

Eu que não amo você

Coragem, às vezes, é desapego. É parar de se esticar em vão, para trazer a linha de volta. É aceitar doer inteiro até florir de novo.

Caio Fernando Abreu

wp-1469467286152.jpg

As relações humanas são complexas, estuda-las não é uma tarefa fácil, pelo contrário, é algo difícil de entender e complicado de se explicar. A todo o momento estamos nos relacionando uns com os outros em diferentes esferas, pois precisamos uns dos outros. Como por exemplo a amizade, nós relacionamos de forma tão intima coma algumas pessoas, e permitimos que ela nos conheça a fundo e que troque experiências mútuas de vida conosco nascendo assim um laço, um vínculo. Desejar viver de forma isolada não traz benefícios ninguém, porque precisamos de pessoas a todo o momento, mesmo que de forma indireta e perspicaz. Fomos realmente criados por Deus para interagirmos. Infelizmente no mundo de hoje as relações humanas estão se tornando cada vez mais superficiais.

O primeiro círculo de reciprocidade é a família, a esfera de pessoas que irá nos cercar de forma cotidiana por muito tempo. Somos totalmente dependentes desse grupo para tudo nos primeiros anos de vida, alcançando autonomia com determinado tempo, mas jamais total independência. A próxima esfera de convício reciproco é a amizade, aquelas pessoas fora do círculo da família com quem interagimos e trocamos papos. Depois de muitos anos vem a relação de amor entre o homem e a mulher, relações de colegas de trabalho etc. É inegável, somos seres sociais! Até quem se prende em um quarto jogando o dia todo depende de outras pessoas para estar nessa situação deprimente.

Até Adão, o primeiro homem vivendo no paraíso onde tudo era belo e sem pecado sentiu a solidão ocasionada pela ausência de um semelhante, já que era o único ser humano até então no Jardim do Éden. A ele foi feito Eva após uma clonagem, parabolicamente é dito na bíblia que Deus retirou de Adão um pedaço de sua costela e fez a ele Eva, e a nós? Temos sentido a ausência de pessoas que acreditamos que jamais iriam sair de nossas vidas? E o pior de tudo é quando a razão não domina nossas vontades, e confiamos que aquela pessoa será nossa companhia, isso sem motivo algum. Criamos expectativas sem lógica e no final quebramos a cara, pois aquela pessoa não corresponde nossas esperanças e nem sequer se importa com a nossa existência.

Essa temática é profunda, pois está presente em praticamente tudo. Ela permeia com tamanha sincronia as relações, como se fosse uma cola que junta retalhos de uma revista a folha em branco. O que seria a Reciprocidade? Definir a Reciprocidade não é muito difícil, difícil mesmo é ter uma correspondência de nossos anseios em relação as pessoas. Mas é melhor aprender sozinho do que viver em algo sem reciprocidade, que é a não correspondência mútua de algo.

Se não há reciprocidade não adianta insistir que não vai prestar, vai ser algo sem conexão, vinda de apenas uma das partes. Por isso falo aos meus amigos e também a mim, se o sentimento não é reciproco não insista, saia disso, mesmo que a dor o consoma por inteiro. Por mais sem cabimento que seja, a nossa mente é especialista em criar ficções, não estou livre disso também.

Primeiramente falamos que queremos conhecer aquela pessoa sem pretensão alguma. Aí do nada nos vemos fazendo planos e elaborando projetos sem mesmo aquela pessoa saber. Do nada chega a vida e interrompe tudo e joga um balde de alga gelada em nossos rostos e grita: A-C-OOOOOOO-RDAAAA. E esse o momento que devemos abdicar de nossas expectativas em relação a determinada pessoa e seguir em frente na caminhada em busca de novas experiências. Não vale mais a pena ficar naquilo. Você certamente já passou por uma dessas, em ter um enorme sentimento por uma pessoa e ela não está nem aí pra você. No entanto, não devemos fugir da dor e a ignora-la. Devemos sentir o inevitável, e procurar aprender com ela para lá na frente não cometer os mesmos erros.

Eu literalmente agora estou olhando nos olhos da dor; paro no tempo e olho dentro dos olhos dela, mas não permito que ela me abrace. Nem sei porque estou fazendo esse texto aqui, deu vontade de falar sobre a reciprocidade e dos fracassos advindos da ausência dessa grandiosa virtude. E o pior de tudo é a saudade que aparece quando não queremos mais viver um Amor de mentira, aquele que existe só na cabeça da gente, pois a pessoa não está nem aí pra você e nem sequer se importa com a sua existência mesmo você a procurando por todos os meios possíveis várias vezes.

São coisas inevitáveis da vida.

Guardem isso com vocês! Seja Feliz e esteja alegre. Até mais.

Um comentário em “Eu que não amo você

Adicione o seu

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: