In the end

wp-1455419389497.jpg

Olá…

Quer saber? No decorrer da história humana, a tarefa “esquecer” sempre foi meio inútil. Omissão do passado, afogamento das emoções e obstrução dos sentimentos são, dentre outras coisas, táticas venenosas que só pioram ainda mais a situação. Eu não recomendo, não enquanto houver opções melhores.

Diferentemente da crença popular, a tentativa de esquecer fases e momentos ruins do passado, servem apenas para piorar ainda mais a vida no presente. Relutar, criar falsas aparências, mentir, determinar períodos de superação ou forçar qualquer outro método derivado é, no fundo, apenas uma forma idiota de fortalecer ainda mais a dor que não passou e que nesse ritmo, também não passará. Eu não sou assim! Meu passado se resume a você e você não merece estar no meu presente, nem mesmo como pretexto de lembrança, resumida numa forma de alvo ou espelho daquilo que devo e preciso evitar.

Então, farei com você o que fiz todas as outras vezes que precisei apagar uma página da minha vida. O método usado é exclusivo, inquestionável, totalmente funcional e livre de qualquer seqüela. A tática para te esquecer é não te esquecer. Sim! Eu não vou rasgar sua página, lhe deixarei lá, com meus adesivos, rascunhos memoráveis e frases incompletas. Não esquecerei a vida que tive ao seu lado; nossas conversas, nossas brigas, nossas noites de amor – tudo estará aqui e sempre vai estar e farei questão de foliar sua lembrança, sempre que necessário.

Dessa forma, a vida seguirá seu fluxo normalmente como um rio, que mesmo tendo seu percurso destruído, com o tempo corrige a própria corrente.

Anteontem, sua lembrança doía.
Ontem, arrancava lágrimas.
Hoje ela é indiferente.
Amanhã, Eu ainda me lembrarei de todas as dores, porém já será possível sorrir.
Depois de amanhã, irei gargalhar. Dá ideia já de ter tido você, da minha consciência infantil, do quanto achava que poderíamos ficar juntos ou que tudo daria certo.

Sabe… Aprendi que não existe superação quando se tenta esquecer, não adianta brigar com o passado, ele faz parte de mim, de todos nós. É assim que fomos criados e é assim que tem que ser.

O maior tipo de homem é aquele que relembra seus maiores pecados sem nenhum tipo de ressentimento ou vergonha.
Eu sou tudo aquilo que já fiz e que ainda posso fazer.

E a maior motivação que tenho para supera-la é saber que alguém bem melhor está por vir.

Adeus.

3 comentários em “In the end

Adicione o seu

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: