Look at me, Watercolor

A doçura dos meus versos nunca  descreveram os nuances do teu rosto,
minhas palavras não couberam no papel.
Ora, talvez fosse a tinta,
de tão pouco doce
esse azul marinho não pudesse traduzir você.eu, que hoje sou tão pouco,
meu mundo menino, tão mindinho!
Eu, que jamais coube em mim,
que jamais soube de mim,
é, Eu sempre fui assim…

Minhas mãos molhadas de tristeza,
encharcadas de passado,
nos espaços do papel
faltava açúcar,
faltava um pouco mais de mim,
eu que sempre fui assim.

E se eu tivesse a tinta?
A púrpura perfeita.
Se eu tivesse a rima
de rosas liquefeitas?
Se eu tivesse em mãos
um gole a mais de ti?

Tudo bobagem!
Eu, pobre poeta,
devo estar doente
de amor, indescritivelmente.
Mas a culpa é tua, oh Deus!
Que compuseste esse poema-gente?

3 comentários em “Look at me, Watercolor

Adicione o seu

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: