Mancebo

Eu juro que perderei alguns dias buscando entender como a calcinha dela foi parar no ventilador de teto. Ou como minha bermuda jeans terminou rasgada. Ou como chegamos até a minha cama se eu perdi as chaves fazendo uma dancinha ridícula na chuva. Bem, ainda não consigo processar as melhores partes. Acordei sem boa parte da minha memória, mas com um belo sorriso no rosto. No universo masculino, isso já diz tudo. Preciso ajustar a coluna, porém ela está cochilando sobre a minha barriga. Aprecio com todo carinho do mundo; jamais acordaria um anjo desses. Permaneço como estou por horas, assisto o clarear do dia transpassar a janela, estalo o pescoço, coço os olhos. Tem uma marca de batom no meu calcanhar, meu peito está arranhado e meu bafo cheira a hidratante de pele. Estou confuso, estou feliz. Uma lástima, um paraíso.

Continue lendo “Mancebo”

Anúncios

Concealment

Demasiadamente amarga como o café que gosto,

Não há contento em ter-te por metade,

Antes me corte a dor da saudade,

Do que não ter meu amor por inteiro.

Continue lendo “Concealment”

Que pensas mulher que dói tua partida.

Ei Emile,

Resolvo responder a tua carta, pela última vez… São quase nove horas da noite, uma noite fria atípica de março, são as águas de março, mas sem promessas ou esperanças. Nas ruas não há nada inspirador, tudo passa o ar de feiura e utilitarismo que não é capaz de dar respostas para ninguém. Continue lendo “Que pensas mulher que dói tua partida.”

Te digo a história desses dias anormais

Campos do Jordão, 2019

 

De imediato o doce frio de junho toma a minha pele parda quando abro parcialmente a porta, suspiro lentamente como um beijo suave a brisa que vem sobre mim enquanto a fumaça de meu café amargo desenha sombras engraçadas no ar. É tudo momento, é tudo um instante, viver é perceber: não podemos fugir do agora, esse é o pensamento que canta em minha cabeça a alguns dias quando começo ficar pensando demais em coisas que não tenho domínio, o presente sempre será perene em qualquer momento de nossas vidas. Até as lembranças tomam vida e cor quando a temos novamente, as emoções fazem com que sentimos o gostinho outra vez, seja ele azeda como o limão ou doce como mel, tome cuidado!! Continue lendo “Te digo a história desses dias anormais”

estreito

As relações estão tão estreitas que mal enxergo o outro lado do corredor. As luzes estão fracas e meu sentimentalismo exacerbado explode grandes montanhas cheias de vento. Vivo sem janelas no quarto, meus pulmões crus respiram incenso e cigarro. Possuo medos quase temporários, visitas planejadas, músicas repetidas e etc. O sol se levanta e não o enxergo, contemplo minha respiração misturada ao ego. As ondas de meus fios Continue lendo “estreito”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: