Un destino arrastrándose

La Paz – Bolívia, 1975

 

Ainda me lembro daqueles olhos escarlates… eles brilhavam de tal forma que não dissipavam as trevas, pelo contrário: devoravam a escuridão da noite. Aos poucos ela avançou e sem razões aparentes, como num predestino, picou o meu pé. Muitos foram os que tentaram me ajudar, mas antes de reunir forças para resistir, sucumbi. Em algum lugar do mundo, com o rosto sendo lavado pelo rio.

Acordei com o som do próprio fôlego, sentei na cama e desliguei o rádio. Não é um bom sinal sonhar com serpentes, todo mundo sabe disso. Caminhei para lá e pra cá enquanto aguardava o borbulho da água… Tudo foi muito real, precisava fazer um café. Questionei se poderia haver alguma relação com meu encontro à noite. Sou supersticioso, fiquei nervoso, tive vontade de arremessar o espelho, cai na poltrona murmurando coisas de pouco sentido; “Ah, merda! Não era o dia de sonhar com isso, que tipo de aviso foi esse?”, questionei. “Droga! Droga! Hoje não pode, hoje é dia de encontra-la!”. Sem a menor dúvida, iria encontra-la hoje a noite. O desejo pela saudade vencia o respeito pelo sobrenatural.

Não adiantava ir atrás de informações… A “avó” dos búzios não está na cidade hoje e os livros do Jornal aqui ao lado não contribuirão em muita coisa. As revistas são tradicionais e os significados tradicionais dos sonhos costumam não funcionar comigo. Não sei se devo arriscar, não sei se posso ir até lá. Se o marido dela descobrir, se ele ao menos desconfiar, a serpente não levará apenas a minha vida e a dela, como também a de toda nossa família, até a vigésima geração. Ser dominado e levado ao prazer é maravilhoso, mas saber proporciona-lo na medida certa é um dom – um dom de poucos! E dentre todos os seus talentos, essa dádiva o ditador não possuía, nem mesmo se preocupava em ter. É natural que sua esposa buscasse fugir de toda aquela tensão então, nos braços de outro. Se eu não afagasse seu deleite, outro melhor o faria.

Continue lendo “Un destino arrastrándose”

Nota de um romântico realista

A beleza por si só é insuficiente para manter uma relação sadia a longo prazo, de nada adianta namorar uma pessoa bela esteticamente, que porém no cotidiano é boçal, superficial e pueril; A beleza de alguém deve inicialmente ser apenas apreciada, mas jamais tomada como pressuposto para o estabelecimento de relacionamentos. Desculpe, mas considero a paixão por natureza um sentimento incapaz de construir um relacionamento sólido, serve provavelmente como um gatilho de seu inconsciente para a perpetuação da espécie, nada mais, depois de dois anos ou menos esse sentimento é dissipado pelo próprio inconsciente que o criou, é inconveniente jogar tais verdades no ventilador, e provavelmente são insuficientes para te convencer; Mas não diga que eu não te avisei quando do nada, e sem motivo… O filme é o mesmo, a sinopse é idêntica, só muda de personagens, a pegadinha não tarda em pegar os trouxas. Continue lendo “Nota de um romântico realista”

Carta de alguém que desistiu

Sabe quando você tá cansada de tudo? Quando já tentou fazer diversas coisas e em todas elas foi um fracasso? Pois é, eu sou uma completa inútil. Tudo o que faço é inútil, tudo o que tento fazer sou um fracasso. Minha vida tem sido uma grande porcaria. As pessoas não me entendem, eu não me entendo. Eu estou cansada.
Eu tô cansada dos olhares turvos, das piadas sem graça. Eu tô cansada de mim. Eu tô cansada de correr e continuar no mesmo lugar. Você não sabe o que é levantar da cama e querer voltar no mesmo instante. Você não sabe como é difícil fingir sorrisos enquanto se quer chorar. Eu tenho tentado ter uma vida normal em um mundo de anormais, mas eu cansei. Continue lendo “Carta de alguém que desistiu”

Em algum momento de sua vida você já se sentiu totalmente perdido e sem saber em que direção seguir? Já olhou no espelho e não se reconheceu? Já olhou pros lados e se perguntou “que merda eu tô fazendo aqui?”.

A gente percorre tantos caminhos… Vamos por uma estrada e quando achamos que estávamos indo pro lugar certo… percebemos que estamos no início de novo. Ah! mas dá uma vontade de largar tudo e seguir por outro caminho. E outro. E outro. E assim o caos não me deixa chegar ao cais. Continue lendo “Qual caos não te deixa chegar ao cais?”

Muitas águas vão rolar em Pindorama

Podemos contar com o porvir?

Poucas coisas na vida estão sob nosso controle, o tempo é uma das milhares de coisas que foge de nossa pequenez, no fim das contas, não temos controle nem sobre nós mesmos. E…. sabemos que agimos como se o amanhã fosse certo em existir, e pior, nos comportamos como se fossemos ter o total senhorio do amanhã… por esses e outros motivos que criamos ilusões da realidade, efeitos de real, no fim das contas não temos controle nem sobre o tempo presente, não aproveitamos o agora, não estamos com a mente, corpo e alma sentindo o agora. Não que o futuro seja menos importante, mas ele é incerto, e para assinar de vez sabemos que ele é construído por ações no tempo presente. Então sir, procure viver o atual momento que Deus lhe concede, mas não seja radical a ponto de não idealizar objetivos futuros, mesmo que incertos, tem uma grande chance de se concretizarem. Nós humanos, apesar da pequenez física perante a imensidão do universo somos capazes de fazer proezas que nenhuma outra espécie pode fazer, não existe supercomputador que se compare ao cérebro humano… deixando claro, para não perder o fio da meada, não creio que somos insignificantes, sustento que todos nós humanos possuímos a essência do Imago Dei: Imagem e Semelhança de um Deus insondável e perfeito. Continue lendo “Muitas águas vão rolar em Pindorama”

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: